O meu caminho

Percorri um mundo inédito contrariando o tempo e me expus ao avesso para que me compreendesse. Deixei sangrar a dor diante do seu espelho e em carne viva você se afastou. Percorri labirintos sem saída e me vi perdida entre vários caminhos. Escolhi sempre o que me parecia mais curto mas em todos eles vivi a ferida exposta. Não consegui fugir de mim refletida nos espelhos que surgiam distorcidos em minha frente e nessa aventura acabei encontrando mais perguntas que respostas. O Universo, este que sempre me fascinou, nada me disse além de trazer tempestades ou chuvas, mares calmos e revoltos, sol entre nuvens ou escancarados, flores voando rente ao asfalto. Me busquei dentro da Igreja, fiz trabalho voluntário, benzi na Umbanda, quis percorrer colinas, subir o Everest, atravessar pântanos, lutei com o mundo e contra o mundo, pedi perdão a Deus, ajoelhei ao pé da cruz, me recompus ouvindo todo tipo de música, desde a mais brega a mais melancólica, sambei sozinha, pulei carnavais, viajei sem dia de voltar só pra me encontrar. De tanto procurar não achei. Bebi tantos cafés, tantos cappuccinos. Do mais doces venenos aos mais fortes, experimentei paixão, morri de tesão, vivi tanta contradição. Descobri lugares inétidos logo ali na esquina. Um prédio em ruína e nem precisei de mapa para encontrar. Sentei sozinha lá dentro. Era bem ao lado do meu. Conversei com tanta gente, ouvi tantas histórias, algumas duvidosas, outras desastrosas, outras cheiinhas de amor. Foi nessa loucura de me reconstruir que achei partes minhas por todos os cantos aonde ia. Nem precisei atravessar o mundo para conhecer outras culturas pois das minhas maiores aventuras foi viajar para dentro de mim. Em meio a tudo isso eu me descobri tão forte, tão inteira, tão mais perto do que sou. E é difícil depois disso tudo ser a mesma. Enxergar da mesma maneira. Descobri que existem aves que vivem melhor em cativeiros. Eu, lá no terreiro que frequentei, me vi em outras vidas. Já fui escrava, já fui tirana, ja fui mucuma, já fui bandida, fui tantas e tantos, mas o que importa é o que sou agora. E agora sou ave que prefere voar. Agora eu quero ser o melhor de mim e nem que para isso eu tenha que recomeçar do zero, remexer nas estruturas, tudo de novo, mudar sempre. Melhor do que voltar a ser quem eu era antes de me despedaçar. Hoje eu sei nadar em direção a luz que existe dentro de mim e ela se chama Jesusinho. O único caminho que você descobre sozinho, olhando lá dentro de você.Para isso eu percorri calvários e penetrei fundo nas sombras. Faria tudinho de novo.

Anúncios

4 comentários

  1. “Nem precisei atravessar o mundo para conhecer outras culturas pois das minhas maiores aventuras foi viajar para dentro de mim.” essa viagem foi a que me salvou e faz estar aqui te escrevendo, sentindo o vento riscar os galhos dos pinheiros, tremer o violão do Gilmour em “Smile”, e afastar dos meus olhos o pequeno rio-fantasma das lágrimas que buscam desesperadas meus lábios. foi dentro de mim que descobri o quanto há de sol e lua, cada uma em seu espaço, o quanto há de café passado pronto para a próxima aventura e o quanto posso ser feliz nesta caminhada. foi quando o tempo parou de vez e segui caminho com uma única busca: vencer o amanhã. e então, dentro de mim se fez corrente sanguínea renovada e olhos menos tristes. já havia começado a travessia, que agora te revelo e divido contigo um pouco do sal e do doce que carrego como alimento e certeza. está em nós o amanhecer. tenha o meu abraço de afeto forte sempre presente.

    Curtido por 1 pessoa

    • É engraçado como esse despertar para o verdadeiro sentido dessa existência de forma irônica vem através de uma perda, uma dor, uma doença, e que muito embora possa parecer o fim, é o início de um novo olhar, esse que nos faz olhar pra dentro às vezes com esse rio-fantasma inundando a face e aliviando a dor, saboreando um café ou um chá quem sabe, sorvendo verdadeiramente o sabor das coisas e enxergando a beleza pela primeira vez. É! A vida tem dessas coisas e benditos os que compreendem esse mistério tão simples. Tão simples e dual. É isso. Abraço fraterno e sol, muito sol para que você possa sempre vencer o amanhã e atravessar as suas luas.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.