À beira do cais

Estou sentada à beira do cais a espera da calmaria, dos barcos à vela. Meus pés pedem para tocar devagar um pedaço qualquer do mar que veio em sonhos me devorar noite outra. Tenho receio que ele venha a me engolir de novo. Estou pedindo permissão para entrar mais devagar. Só com a pontinha dos pés. Espero que ele entenda esse meu novo jeito de tentar me possuir. Mais leve, serena, como a brisa que agora mesmo toca a minha face por descuido. Um mero acaso dos ventos em desvio de rotas. À beira do cais, ainda desconheço meu destino ou se há algum a não ser ficar com as pontas dos dedos tocando suavemente a superfície em contemplação. Acho que estou em oração a espera da canção de alívio, de notícia boa. Espero que ela venha colorida embalada nesse balanço calmo do mar. Agora. Filme preto e branco só é bom em novela antiga.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.