Tudo bicho

Vivia num canto, de cócoras como se estivesse a espera do ovo.

— Que ovo?, perguntavam.

E ela cacarejava e em gargalhadas estridentes movimentava-se de um lado para o outro dizendo:

— Eu botarei um ovo, e completava: vocês são bichos, tudo bicho.

Assim permaneceu quase por uma semana inteirinha.

O médico da família alegou se tratar de doença dos miolos moles.

Permanecia irredutível, em cócoras, no mesmo canto. Bebia água e passou a comer minhocas. Ninguém via. Ela quem dizia.

Numa manhã de domingo, lá estava sorridente com o ovo na mão.

— Eu disse, eu disse. Aqui está o ovo!, — há tempos não se via ovo naquela casa.

Olharam-se ressabiados.

— Tudo bicho, tudo bicho. Tudim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.