Só me sendo Existo

Sou o cair
trovão da noite
A Ira sem sentido
vespertina
Por detrás da
cortina sou

me-ni-na
Aparente bruteza
Em minha fragilidade
Sou toda Natureza
pequenina gota
Imantada
Sagrada
Sou
A minha Verdade
inventada por mim
Agora mesmo posso ser um
Jardim de estrelas
E nessa brincadeira
de me reinventar
Posso ser também Mar
Também Rio
Também lágrima salgada
Também sangue e seiva
A minha lástima
Pequena tristeza de quase
querer morrer
é não poder me Ser
um diazinho sequer
Porque só me Sendo
Mesmo Doendo
por fora,
por Dentro
Existo.

9 comentários

  1. Sou uma réplica de mim mesmo.
    Sou a soma de todas as minhas experiências.
    Sou o acerto, o fracasso, a vontade de potência.
    Sou a libido, a necessidade…
    Sou o paradoxo da existência.
    Sou o gosto pelo infinito, a raiva, o inconformismo.
    Sou aquilo em que acredito, mas também, aquilo de que duvido.
    Sou a contradição e o rompimento.
    Assim como as bocas alheias descrevem, Eu sou a imprevisibilidade… o silêncio.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.